Esta ópera celebra a luta pela liberdade, evocando o espírito da Revolução de Abril. Com música e libreto de Alexandre Delgado, é uma adaptação da obra de Sttau Monteiro, um marco do teatro português do século XX. A Orquestra Filarmónica Portuguesa encomendou esta ópera para comemorar os 50 anos do 25 de Abril de 1974. As próximas apresentações serão em Évora, Braga, Faro e Santa Maria da Feira.


  • Data: 09-08-2024 09:30 PM
  • Localização Braga, Portugal (Mapa)
  • Mais informações: Teatro Circo

Descrição

SINOPSE

Quando o saudoso Joaquim Benite encenou a minha ópera “A Rainha Louca”, em 2011, lançou-me um desafio: queria que eu compusesse uma ópera sobre o meu avô, Humberto Delgado. Mas eu disse-lhe que não era capaz, por ser um assunto demasiado pessoal. (Literalmente: eu tinha cinco meses de gestação quando a minha mãe soube que o pai dela tinha sido assassinado.)

Em 2022, o maestro Osvaldo Ferreira lançou-me outro desafio: compor uma ópera sobre o 25 de abril. Também fiquei de pé atrás, desta vez por achar o tema pouco operático e por não querer compor para uma comemoração oficial. Mas lembrei-me de uma peça que podia fazer todo o sentido: “Felizmente Há Luar”. Uma peça sobre a figura histórica do general Gomes Freire, condenado à morte em 1817, nos últimos estertores do regime absolutista. Publicado em 1961, o texto de Luís de Sttau Monteiro era uma metáfora tão evidente do Estado Novo sacudido pelas eleições de 1958, que até os obtusos censores salazaristas a perceberam. Proibida, a peça só pôde ser representada em Portugal depois da revolução.

E foi assim que esses dois temas, que antes recusei, me vieram parar às mãos de forma metafórica. Que é como quem diz: operática. (Alexandre Delgado).


PRÓXIMAS APRESENTAÇÕES

08.09.24 - Teatro Circo, Braga, 21h30min

05/10/2024 - Teatro das Figursa, Faro, 21h30min

26/10/2024 - Europarque, Sta. Maria da Feira, 21h30min


PROGRAMA

Alexandre DELGADO (1965 – ) – Ópera Felizmente Há Luar


FICHA ARTÍSTICA

Música e Libreto – Alexandre Delgado

Encenação – Allex Aguillera

Cenografia, caracterização e figurinos- Nuno Esteves “Blue”

Desenho de luz – Manuel Abrantes

Direção de Cena – Bernardo Lorga

Orquestra Filarmónica Portuguesa – direção artística, Osvaldo Ferreira

Coro Proarte – direção musical, Filipa Palhares

Preparador vocal e correpetidor – Pedro Lopes


ELENCO

Sílvia Sequeira, soprano – Matilde Melo

Carlos Guilherme, tenor – Principal Sousa

André Henriques, barítono – Bersdford e Antigo Soldado

Christian Lujan, baixo/barítono – António de Sousa Falcão

Tiago Amado Gomes, barítono – João Miguel Forjaz

Raquel Mendes, soprano – Mulher do povo

Pedro Cruz, tenor – Vicente

Osvaldo Ferreira – direção musical


FICHA TÉCNICA

PRODUÇÃOÓRQUESTRA FILARMÓNICA PORTUGUESA

COPRODUÇÃO ARTÍSTICA: ProART - André Cunha Leal


Apoio à produção OFP

Maestro assistente – André Lousada

Stage manager – Paulo Alves

Produção artística – Carolina Frederico

PRODUÇÃO

ÓRQUESTRA FILARMÓNICA PORTUGUESA


A seguir, compartimos algumas das fotografias da Estreia, que ocorreu no dia 6 de maio, no Teatro São Luiz. 


As magníficas fotografias da estreia foram capturadas por Estelle Valente e José Frade - Photographer. ©EGEAC Cultura em Lisboa